ASPIRINA PODE PREVENIR DOENÇA CARDÍACA, MAS TAMBÉM TRAZER EFEITOS ADVERSOS

 

Reportagem do portal Boa Saúde, do UOL, fala que utilizar Aspirina pode reduzir o risco de infarto e derrame, e proteger contra aborto, demência e câncer de intestino. No entanto, riscos como sangramento intestinal devem ser considerados, e recomenda-se acompanhamento médico. As informações são de artigo publicado no jornal escocês “The Scotsman“.

 

O médico Mark Porter escreveu no jornal escocês que a Aspirina “pode ter sérios efeitos colaterais e causar mais problemas do que resolvê-los. Em pessoas erradas – principalmente aqueles que gozam de boa saúde – a aspirina pode, na verdade, ser tóxica”.

 

Segundo o médico, a Aspirina deixa as plaquetas sanguíneas menos colantes, o que reduz as chances de se agruparem em coágulos que interrompam o fluxo sangüíneo para o cérebro e coração. Mas essa mesma propriedade aumenta o risco de sangramentos e sérias hemorragias cerebrais e estomacais.

 

A proteção contra problemas cardiovasculares seria o principal critério de prescrição do uso regular da Aspirina. O uso deveria se restringir a pessoas acima de 50 anos de idade, e ser acompanhado por um médico.

 

 

Estudos anteriores

 

Reportagem publicada pela BBC Brasil já havia falado de um estudo que concluiu que mulheres saudáveis “que tomam uma dose de baixa a moderada de aspirina podem reduzir seu risco de morte prematura, particularmente de doenças cardíacas”, mas que o assunto ainda causa controvérsia. O estudo foi publicado na revista especializada “Archives of Internal Medicine”.

 

Oitenta mil mulheres sem doenças cardiovasculares ou câncer tiveram seu uso de Aspirina monitorado por mais de vinte anos. Ao ser concluído, o estudo apontou que mulheres que tomavam doses de baixas a moderadas de Aspirina apresentaram um risco 25% menor de morte por qualquer causa em comparação a mulheres que nunca usaram Aspirina de forma regular.

 

As doses de baixas a moderadas correspondiam a um a catorze comprimidos de 325 mg por semana. De forma geral, as mulheres que usaram Aspirina apresentaram um risco 39% menor de morte por doenças cardiovasculares, e 12% menor de morte por câncer.

 

Segundo o estudo, o uso de doses elevadas de Aspirina (mais de 14 comprimidos por semana) não apresentou vantagem adicional. Ao contrário das reduções na mortalidade vascular, as reduções do risco de morte por câncer não foram consideradas significantes pelos pesquisadores.

 

Os benefícios da Aspirina foram significantemente maiores em participantes mais velhas e naquelas com maiores fatores de risco cardíaco, e seriam proporcionados evitando a inflamação e danos celulares causados pela oxidação, entre outros fatores. Mas cientistas britânicos afirmaram que esses resultados contrariam outros estudos, que advertiram que aspirina pode causar sangramento. Os resultados não sugerem que todas as mulheres devam tomar aspirina, e mais pesquisas são necessárias.

 

Segundo a reportagem da BBC Brasil, outro estudo com 40 mil mulheres não encontrou benefícios no uso de Aspirina. Peter Weissberg, diretor médico da Fundação Britânica do Coração, declarou à reportagem que há “boas evidências que sugerem que as pessoas que tiveram um ataque cardíaco, ou são consideradas em risco de doenças cardíacas se beneficiam da prescrição de aspirina. Mas não é adequado para todo mundo tomar para prevenir doenças cardíacas, pois o uso regular de aspirina é associado ao risco estabelecido de sangramento”.

 

Outra reportagem da BBC fala de um estudo que concluiu que a Aspirina traz benefícios para pessoas com mais de 50 anos de idade. O médico Peter Elwood, da Universidade de Cardiff, na Grã-Bretanha, que conduziu o estudo, defende a ampliação do uso da Aspirina por homens e mulheres com mais de 50 anos, para reduzir o risco de ataques cardíacos e derrames.

 

Mas o diretor da British Health Foundation, Jeremy Pearson, afirmou à reportagem da BBC Brasil que as pessoas devem ter “consciência dos riscos antes de optarem por tomar Aspirina por um longo período. O medicamento pode, ocasionalmente, provocar problemas de sangramento ou uma reação alérgica. Por isso, as pessoas precisam se informar com o médico antes de começarem tal procedimento”.

 

Segundo a reportagem da BBC Brasil, os médicos “já recomendam Aspirina para pacientes que tenham chances acima do normal de ter um ataque cardíaco ou derrame, desde que não existam razões médicas para que o medicamento não seja prescrito, como os efeitos colaterais indesejados”. Elwood diz que 80% dos homens ultrapassam esse risco em torno dos 50 anos, e que apenas 0,2% a 0,3% das pessoas poderiam ter complicações, como sangramento do estômago.

 

No entanto, segundo a reportagem do portal Boa Saúde, uma estimativa australiana indicou que se 20 mil idosos tomassem Aspirina regularmente por um longo período, o medicamento preveniria 700 infartos e 55 derrames, mas haveria mais de mil casos de sangramento estomacal e 130 hemorragias cerebrais. Apenas estas complicações, somadas, representam 1130 casos em 20 mil pessoas, ou seja, atingiriam 5,65% dos pacientes.

 

Um estudo publicado na revista especializada “Digestive Diseases and Sciences”, fala que a Aspirina pode ocasionar irritação gástrica e formação de úlceras (leia resumo do estudo, em inglês, aqui).

 

 

Conclusão

 

Notam-se sinais de controvérsia científica. Alguns pesquisadores defendem seu uso, outros declaram que os benefícios não justificam os riscos. Há controvérsia com relação à intensidade e freqüência dos efeitos adversos. Pode-se concluir que o uso de Aspirina para a prevenção de doenças deve ser prescrito e acompanhado por um médico, após avaliação das condições individuais do paciente, e que os benefícios parecem maiores em pessoas com mais de 50 anos de idade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: